Fístulas

Definição

fistula a
A fístula anal é um túnel que se abre no tecido perianal.  Esse túnel é formado por dois orifícios que comunicam a região interna do ânus, ou do reto, com a pele da região externa do períneo ou das nádegas.

 

fistula b

Por aparecer, em alguns casos, como um orifício nas nádegas, muitas pessoas confundem a fístula com o furúnculo. No entanto, o furúnculo é uma infecção de pele, enquanto a fístula deriva de uma infecção em glândulas da região anal.

 Entenda o que causa a fístula 

Causas

A fístula anal ocorre, frequentemente, como resultado de um abscesso. Abscesso é uma cavidade em que se forma secreção purulenta, isto é, pus. Em geral, o abscesso é causado pela infecção de pequenas glândulas existentes no canal anal. Essas infecções são causadas pelas fezes.

O abscesso também pode ser resultado de uma fissura que são feridas, com alto potencial de infecção, no canal anal.

Entenda a fissura. Clique aqui

De acordo com a Sociedade Brasileira de Coloproctologia, quase metade dos casos de abscesso anal evolui para fístula anal. Logo, o surgimento da fístula decorre de uma evolução natural da condição de quem apresenta abscesso anal, não se trata de complicação do tratamento do abscesso.

Como se dá o processo:

grafico2

A fístula anal também pode ser uma manifestação de outras doenças, como doença de Crohn, R.C.U.I (Retocolite Ulcerativa Inespecífica), retite estenosante, neoplasia maligna do reto ou sistema urogenital e tuberculose.

O sintoma mais comum da fístula anal é a saída de secreção persistente por um ou vários pequenos orifícios, localizados na região externa do ânus.

  • Se o paciente apresenta abscesso, o principal sintoma é a significativa dor anal ao rir, chorar, tossir, sentar e andar. Pode ocorrer também defecação dolorosa, febre, perda do apetite, fraqueza e indisposição. Outros sinais também são relativos à infecção, como: dor (contínua e/ou latejante) e inchaço na região anal, que se apresenta quente e avermelhada.

O diagnóstico da fístula anal é dado conforme a história clínica do paciente ou exame físico, que podem ser acompanhados por ressonância magnética ou ultrassom local.

image1As fistulas normalmente são tratadas com cirurgia para abrir o trajeto fistuloso (“fistulotomia”) e constitui a terapêutica eficaz.

O médico abre o trajeto infectado e raspa quaisquer remanescentes do abcesso anal antigo. A ferida é deixada aberta para cicatrizar por segunda intenção. O tempo de recuperação depende do tamanho e do trajeto da fístula.

Técnicas mais recentes podem prever a passagem de um plug anal por este trajeto fechando o trajeto e os orifícios interno e externo.

Uma novíssima proposta de tratamento para fístula anorretal envolvendo a utilização de laser com emissão radial vem sido aplicada. Através de fibra laser inserida no trajeto fistuloso, que por fototermo absorção destrói o tecido inflamado . O resultado esperado é o fechamento fístula com a recuperação rápida do paciente. A intervenção dura poucos minutos e é feita sob anestesia.

Os resultados obtidos pelos poucos cirurgiões que têm utilizado esta nova técnica são promissores. Há no entanto a necessidade de se seguir a reprodutibilidade desta nova técnica no tempo.

A fístula anorretal é uma ocorrência comum na população, entre as pessoas com idade de 30 a 40 anos. A incidência é de 12 casos a cada 100 mil homens e cinco entre 100 mil mulheres.

Deixe uma resposta